Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Como Poupar na Factura Fiscal de 2008

 

 

Quando chega a altura de entregar o IRS surge sempre o pesadelo dos impressos, dos talões, das facturas, as dúvidas sobre o que pode ou não abater. N’ A Cor do Dinheiro vamos dar-lhe todas as indicações de que precisa para organizar a tempo e horas o seu IRS e, acima de tudo, vamos dar-lhe algumas dicas para que saiba como pode ainda vir a poupar na Factura Fiscal de 2008.

 

Sendo que em termos de deduções à colecta e benefícios fiscais várias alterações são introduzidas todos os anos damos-lhe a conhecer o que pode ou não integrar o seu IRS deste ano. Para além das dicas que lhe vamos dar sobre como poupar, vamos ainda fazer duas simulações: uma com um IRS normal e outra com todos os abatimentos que pode fazer e benefícios de que pode usufruir para perceber a diferenças em termos do valor final que tem a pagar. 

 

Fique com mais algum sites com informações úteis sobre o tema:

 

- Site do Ministério das Finanças

- Site da Direcção Geral dos Impostos

- Site do Diário Económico com dicas para poupar no IRS de 2008

publicado por acordodinheiro às 11:31
link do post | comentar | favorito
|
18 comentários:
De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:49
Estou neste momento a meio de um processo de divórcio e tenho uma dúvida: como posso fazer em relação aos meus filhos, as suas despesas entram em ambas as declarações de IRS, a minha e a do meu ex-marido, ou apenas numa?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:40
Neste caso, cada um pode apresentar uma declaração de IRS dos seus rendimentos e se houver dependentes e dos dependentes a seu cargo, se os houver, sendo que os filhos dependentes só podem ser incluídos numa das declarações. Se tiver dois ou três filhos, cada um pode ser incluído como dependente em agregados familiares diferentes. No entanto, os cônjuges separados de facto podem preencher e entregar uma declaração conjunta de rendimentos, se isso lhes for mais favorável e se estiverem de acordo.


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:51
Estive durante praticamente todo o ano de 2008 a trabalhar em Inglaterra e lá já paguei os impostos respectivos sobre o meu rendimento. Tenho que voltar a declará-los agora aqui em Portugal?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:41
Sim, mas no anexo J e não no anexo A. No anexo J, deve indicar o valor dos rendimentos de trabalho dependente obtidos em Inglaterra e o imposto que pagou. Se for trabalhador por conta de outrem, também pode deduzir as contribuições obrigatórias para regimes de protecção social e as restantes deduções à colecta aplicadas aos residentes em Portugal.


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:52
Devido ao meu grau de invalidez não me posso deslocar sozinho. Pago todos os meses 300 euros a uma pessoa para me acompanhar. Posso deduzir esta despesa?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:41
Depende. Se a pessoa que trata de si for um profissional de saúde e passar recibo do valor que lhe paga, pode deduzir essa despesa em IRS.


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:52
Sou Psicóloga e ao mesmo tempo trabalho em investigação numa Universidade através da qual recebo uma bolsa: tenho que declarar este valor?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:42
O regulamento que atribui a bolsa para investigação define regime fiscal aplicado. Se não for o caso, verifique junto da entidade pagadora qual a regulamentação fiscal. Para a instituição é mais vantajoso considerar o seu rendimento na categoria B em vez da A, sendo o regime de prestação de serviços (recibos verdes) o mais frequente.


De Anónimo a 30 de Outubro de 2008 às 13:54
Tenho um PPR e resgatei-o fora das condições previstas?Tenho que devolver os benefícios fiscais? O que devo fazer?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:42
O resgate do dinheiro de um plano poupança-reforma fora das condições previstas implica a devolução dos benefícios fiscais usufruídos, a que se soma uma penalização de 10% por cada ano decorrido. Isto, apesar de estas aplicações terem deixado de beneficiar da dedução à colecta desde 2005.


De Kindaian a 4 de Novembro de 2008 às 13:26
A questão está nos usufruidos.

Na minha declaração, os valores de deduções ultrapassaram sempre os limites legais, pelo que foram sempre cortados (o facto do cabaz despesas ser essencialmente dedutível provoca isso).

A questão é, qual é neste caso a penalidade pois o fisco vai considerar que eu usufrui 100% e eu vou considerar que usufrui 10%... Em que ficamos?


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:54
Este ano investi em certificados de reforma . Qual o benefício fiscal?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:42
Os certificados de reforma ou PPRs públicos têm o chamado benefício fiscal "à entrada", ou seja, não há capital ou rendimento garantido no final da aplicação, nem sobre a forma de seguro, como é possível nos PPRs. O capital só pode ser resgatado depois da reforma e de acordo com as condições seguintes:
- reforma por velhice
- desemprego de longa duração (mais de 12 meses)
- doença grave ou incapacidade para o trabalho
Nos certificados de reforma pode deduzir à colecta 20% das entregas efectuadas por cada sujeito passivo não casado ou por cada cônjuge não separado judicialmente de pessoas e bens, num máximo de 350 euros por sujeito passivo, independentemente da idade.


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:54
Durante o mês de Junho adquiri obrigações. Tenho que declarar este valor no IRS? Tenho algum benefícios fiscais por ter estes títulos?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:43
Como já é aplicada uma taxa liberatória de 20% sobre os juros destes títulos, não precisa de declará-los em IRS, sejam do Estado ou de empresas privadas.


De acordodinheiro a 30 de Outubro de 2008 às 13:55
Trabalho a recibos verdes numa empresa. Será que vale a pena optar por contabilidade organizada? Quais as vantagens?


De acordodinheiro a 4 de Novembro de 2008 às 11:43
Até à criação do regime simplificado, não existia nenhuma vantagem em optar pela contabilidade organizada, a menos que estivesse obrigado a isso. Com este regime, o facto de as despesas, que constituíam a dedução específica desta categoria, deixarem de ser incluídas na declaração de IRS pode influenciar o imposto a pagar. Se tiver rendimentos e bastantes despesas dedutíveis da categoria B (regra geral, se forem superiores a 30% do rendimento obtido), terá todo o interesse em optar pela contabilidade organizada.
Só a opção pela contabilidade organizada lhe permite deduzir tais despesas quase nos mesmos moldes. No entanto, os trabalhadores com contabilidade organizada são obrigados a entregar a declaração de rendimentos e restantes declarações de carácter fiscal assinadas por um Técnico Oficial de Contas. Desde 2004, deixou de ser estipulado um valor mínimo a ser cobrado por estes serviços. Caso tenha contabilidade organizada, terá de preencher o anexo C e não o B.



De Anónimo a 3 de Novembro de 2008 às 23:50
Há uma pagina com informação sobre IRS que penso ser útil http://utilitarios.no.sapo.pt


Comentar post

.A Cor do Dinheiro

.Patrocinadores

 

PT negocios

Coloque as suas dúvidas sobre os Temas da Semana através de:

E-mail: cordodinheiro@sapo.pt

 

.Produzido por

Photobucket

.Programa

 

A Cor do Dinheiro é um magazine semanal sobre Economia, que aborda assuntos sobre poupança e investimento. É transmitido todos os Domingos, às 23h na RTPN.

.Apresentador

 

Camilo Lourenço é o apresentador do programa A Cor do Dinheiro e tem já uma larga experiência na área da economia. Foi fundador do Diário Económico e director editorial da revista Exame. Desempenhou, também, funções como editor de economia na Rádio CMR e na Rádio Comercial, e foi comentador da SIC Noticias.
Actualmente, é colunista no Jornal de Negócios e no Record e comentador da RTP e da M80.


 

 

.Votação Semanal

.Facebook

.Arquivo Audiovisual do Programa

RTP Multimédia

.Arquivo do Blog

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.Links Úteis

DECO

 

Ministério da Economia

 

Ministério das Finanças

 

Banco de Portugal

 

Agência Financeira

 

Revista Exame

 

Jornal de Negócios

 

Diário Económico

 

Público

 

Bloomberg

 

Dossier Especial Financial Times

.Sugestão de Livro


 

 

 

Num momento em que valores como a Verdade, Humildade e Solidariedade se
encontram completamente arredados do modo como são, actualmente, governadas
as grandes empresas globais, é necessário lançar um alerta sobre a forma
pouco clara como muitos dos máximos responsáveis das grandes corporações as
têm dirigido. Este livro pretende dar a conhecer aos actuais e futuros gestores as
ferramentas para lidar com a actual crise de valores que prolifera nas
empresas globais. É preciso «humanizar» as empresas para que estas deixem de
procurar o êxito rápido a qualquer preço! Criar uma cultura de negócios mais
verdadeira, será o grande desafio para todos os futuros gestores deste
século.

De João Ermida, O Método dos Executivos do Futuro, Dom Quixote

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31