Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

Acções de Risco

Em tempos de crise financeira como a que atravessamos quem é que vai pensar em comprar acções? Esta é a pergunta que provavelmente estará a formular, mas a verdade é que grande parte dos analistas sublinha que, apesar da crise, existem boas oportunidades para os investidores comprarem acções a baixo preço. Existem obviamente riscos, porém se investir numa óptica de longo prazo os resultados podem ser bastante positivos.

Por isso, A Cor do Dinhheiro preparou um programa sobre acções de risco, mostrando como se pode ganhar muito com o "jogo da bolsa" desde que se tenha os meios para tal e o perfil de risco adequado.

 

Consulte mais informações sobre bolsas, mercados e cotações através dos seguintes sites:

 

- Site da Euronext Lisboa

- Site da GoBulling

- Especial Carteira sobre Bolsa

- Site Infobolsa com informações úteis sobre a bolsa nacional e as principais bolsas internacionais

publicado por acordodinheiro às 18:04
link do post | comentar | favorito
|
15 comentários:
De acordodinheiro a 4 de Fevereiro de 2009 às 18:21
Estou a pensar investir em bolsa. Que tipo de cuidados devo ter?


De António Monteiro a 5 de Fevereiro de 2009 às 23:07
Não investir nesta altura.

-> Só se dinheiro não vier a fazer falta para os próximos 5 anos.
-> Só se conhecer bem a empresa, porque esta poderá não aguentar a crise.

Porque os dividendos poderão compensar a desvalorização.
Mas quem não precisar do dinheiro estamos, mais ao menos na altura de investir.


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:40
Se quer investir em bolsa, é bom que procure toda a informação sobre os mercados em que aposta e que esteja atento aos analistas, cujas opiniões são, em princípio, mais fundamentadas. Não aplique nunca dinheiro de que vai precisar para contas correntes e não peça dinheiro emprestado para aplicar em bolsa. Tenha consciência de que é um investimento bastante imprevisível, pelo que deve sempre diversificar a sua carteira tanto quanto possível, evitando reunir muitas acções do mesmo sector ou da mesma empresa, por exemplo.


De acordodinheiro a 4 de Fevereiro de 2009 às 19:03
Dizem que o investimento em bolsa é de longo prazo. O que é que isso significa, na prática? Quanto tempo tenho de esperar para ganhar algum dinheiro?


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:40
Para ter retornos com o seu investimento em bolsa, esteja preparado para ter o seu capital imobilizado pelo menos durante 3 anos ou idealmente 5 anos. Mesmo assim, isto não garante que tenha lucros, apenas aumenta essa possibilidade, sendo que, em princípio, os lucros que daí advieram serão maiores a 3 ou 5 anos do que a 1 ano, por exemplo.


De João Ferreira a 8 de Maio de 2009 às 22:29
Basta analisar o seguinte Gráfico de Bolsa (http://bigcharts.marketwatch.com/charts/big.chart?symb=spx&compidx=aaaaa%3A0&ma=5&maval=12&uf=0&lf=1&lf2=0&lf3=0&type=4&size=2&state=8&sid=3377&style=320&time=13&freq=3&comp=NO%5FSYMBOL%5FCHOSEN&nosettings=1&rand=273&mocktick=1) para concluir facilmente que quem investiu em acções americanas em 2000 ainda está à espera para entrar em positivos. Ou seja, o longo prazo pode ser muito, muito longooooo.


De acordodinheiro a 4 de Fevereiro de 2009 às 21:53
Quais são os melhores fundos de investimento para investir?


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:40
Para indicar os melhores fundos de investimentos é preciso considerar sempre qual o perfil de risco e o prazo de investimento que quer fazer. Se consegue lidar bem com as oscilações de mercado e se está disposto a ter o capital imobilizado por vários anos, os fundos de acções são os mais adequados. No entanto, se é um investidor avesso ao risco e de curto prazo opte pelos fundos de obrigações e de tesouraria.


De acordodinheiro a 5 de Fevereiro de 2009 às 09:22
Ouvi dizer que existem países em cujos ganhos com acções pagam menos impostos! É verdade? Podem dar-me alguns exemplos?


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:40
As mais-valias dos fundos estrangeiros são tributadas a 20%, uma cobrança sob a forma de retenção na fonte, ou seja, se resgatar um fundo de investimento estrangeiro que valorizou 20 por cento deste a data de aquisição, a mais-valia líquida de impostos é 16 por cento (20% x 0,8).
Nos fundos nacionais, como a tributação sobre as mais-valias é feita dentro do fundo (o investidor não tem de fazer o que quer que seja), as cotações e as rendibilidades apuradas entre o preço de compra e o preço de venda já são líquidas de impostos.


De acordodinheiro a 5 de Fevereiro de 2009 às 11:51
Qual a importância de acompanhar as cotações das acções na bolsa? Para que serve esse valor?


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:41
A cotação é o preço corrente dos títulos de acção em bolsa, ou seja, é o valor que indica o preço de uma determinada acção. É através desse valor que o investidor tem a noção real do valor em número das suas acções. Analisando também as variações das cotações, o investidor consegue saber ainda se a acção está a valorizar ou a desvalorizar.


De acordodinheiro a 5 de Fevereiro de 2009 às 15:22
Muitos analistas têm dito que esta é uma crise como nunca antes se viveu. É verdade? De que forma é que isso pode afectar os meus investimentos?


De acordodinheiro a 9 de Fevereiro de 2009 às 12:41
Luís Tavares Bravo, do Barclays, entende que esta é uma "crise não tradicional", pelo que se vai passar "um período de recessão mais prolongado de 6 a 7 trimestres", ou seja, aponta para "uma retoma num cenário favorável, após o final do primeiro semestre do ano".
Luís Tavares Bravo disse ainda que numa primeira fase do ano vamos continuar a verificar notícias muito negativas, o que significa que "quem está exposto ao mercado nacional deverá procurar manter um perfil que, em termos de captação de mercado, seja mais defensivo". A partir do último trimestre do ano, pode então "procurar posições em acções dos mercados emergentes como alterações climáticas", por exemplo. Além disto, temos de considerar que "à medida que vai sendo restaurada a confiança nos mercados internacionais - obviamente não nos esquecendo que existe um plano enorme de infra-estruturas quer na Europa quer também em Portugal para os próximos 5 anos" - os efeitos desta crise tendem a ser mitigados.


De José a 5 de Fevereiro de 2009 às 19:13
O problema mais grave é o Millennium BCP...
Este é que nos destrói...
Está completamente oco por dentro e seus principais accionistas "tesos" com seus créditos descapitalizados...
O BCP tornou-se um arrastão. A sua desvalorização em Bolsa tornou dezenas de empresas e investidores reféns de bancos que lhes fiaram crédito para investir no Millennium. Joe Berardo, Manuel Fino, Teixeira Duarte, Filipe de Bottom, João Pereira Coutinho, João Rendeiro e outros notáveis investidores ficaram hipotecados. A maioria já reestruturou as suas dívidas, ganhando fôlego com carências do pagamento das dívidas. Mas isso é um socorro, não é uma solução.
O BCP já enviou a sua defesa para a CMVM, que acusa a instituição de, entre outras coisas, ter prestado falsa informação e de ter usado offshores para compra de acções próprias BCP sem comunicar às autoridades.
bcpcrime.blogspot.com


Comentar post

.A Cor do Dinheiro

.Patrocinadores

 

PT negocios

Coloque as suas dúvidas sobre os Temas da Semana através de:

E-mail: cordodinheiro@sapo.pt

 

.Produzido por

Photobucket

.Programa

 

A Cor do Dinheiro é um magazine semanal sobre Economia, que aborda assuntos sobre poupança e investimento. É transmitido todos os Domingos, às 23h na RTPN.

.Apresentador

 

Camilo Lourenço é o apresentador do programa A Cor do Dinheiro e tem já uma larga experiência na área da economia. Foi fundador do Diário Económico e director editorial da revista Exame. Desempenhou, também, funções como editor de economia na Rádio CMR e na Rádio Comercial, e foi comentador da SIC Noticias.
Actualmente, é colunista no Jornal de Negócios e no Record e comentador da RTP e da M80.


 

 

.Votação Semanal

.Facebook

.Arquivo Audiovisual do Programa

RTP Multimédia

.Arquivo do Blog

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.Links Úteis

DECO

 

Ministério da Economia

 

Ministério das Finanças

 

Banco de Portugal

 

Agência Financeira

 

Revista Exame

 

Jornal de Negócios

 

Diário Económico

 

Público

 

Bloomberg

 

Dossier Especial Financial Times

.Sugestão de Livro


 

 

 

Num momento em que valores como a Verdade, Humildade e Solidariedade se
encontram completamente arredados do modo como são, actualmente, governadas
as grandes empresas globais, é necessário lançar um alerta sobre a forma
pouco clara como muitos dos máximos responsáveis das grandes corporações as
têm dirigido. Este livro pretende dar a conhecer aos actuais e futuros gestores as
ferramentas para lidar com a actual crise de valores que prolifera nas
empresas globais. É preciso «humanizar» as empresas para que estas deixem de
procurar o êxito rápido a qualquer preço! Criar uma cultura de negócios mais
verdadeira, será o grande desafio para todos os futuros gestores deste
século.

De João Ermida, O Método dos Executivos do Futuro, Dom Quixote

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31