Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Crédito à Habitação

A Euribor continua em valores mínimos históricos. Os cortes das taxas de juro, efectudados pelo Banco Central Europeu, tem consequências a vários níveis, sobretudo no crédito habitação. As famílias portuguesas já sentem este decréscimo das taxas de juro, mas perante o cenário actual importa esclarecer algumas questões: Pode ou não o banco rever as condições de contrato a qualquer momento?É esta uma boa altura para fazer amortização de capital? O que esperar do futuro?

As respostas a estas e outras questões, no próximo programa d'A Cor do Dinheiro.
Os convidados em estúdio serão Carla Oliveira, da DECO, Jorge Góis, do Millenium BCP e Carlos Monjardino, como Investidor Privado.
João Ermida fará, como é habitual, a análise dos Mercados e da Empresa da Semana, a Sonae.
 
Para mais informações:
 
- Taxa Euribor
- Taxas usadas nos Créditos à Habitação
- Faça a sua simulação no Portal do Cidadão
- Esclareça as suas dúvidas sobre Habitação

 

publicado por acordodinheiro às 11:30
link do post | comentar | favorito
|
19 comentários:
De Anónimo a 18 de Março de 2009 às 13:13
O meu banco subiu o spread, depois de as taxas de juro terem baixado. Isso é possível?


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:12
Não. Isso é uma prática ilegal que alguns bancos estão a ter para com os seus clientes. O banco pode apenas praticar um spread mais elevado nos novos contratos. Aqueles que foram fixados nos contratos assinados antes das descidas das taxas de juros não podem ser alterados agora.


De Anónimo a 18 de Março de 2009 às 15:11
Agora que as taxas de juro estão em níveis muito baixos, é boa altura para fixar a taxa do crédito à habitação?


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:12
A COR DO DINHEIRO estima que o Banco Central baixe as taxas de juro até aos 1%, sendo esse o valor mínimo em vigor. Assim, a partir dessa altura, pode fixar a taxa, garantindo assim uma prestação baixa por mais tempo.


De João Barata a 7 de Abril de 2009 às 00:04
Exactamente neste sentido dirigi-me ao balcão do banco onde tenho o meu crédito à habitação.
Solicitava uma simulação para rever o meu contrato de crédito à habitação indexado à euribor a 3 meses para taxa fixa.
Com a simulação efectuada, fui informado que o valor da taxa fixa seria o mesmo que a taxa euribor que estivesse em vigor na altura. Fiquei surpreendido, mas a repetição da informação pela funcionária, levou-me a acreditar que seria uma oportunidade interessante fixar os próximos 15 anos a uma taxa de 1,...% + spread.
Pouco tempo mais tarde dirigi-me de novo ao banco por causa de outro assunto; como fui atendido por outro funcionário, tentei cruzar informação com a simulação atrás referida; boquiaberto, fui informado que a taxa fixa seria claramente superior à que constava na simulação.
Neste sentido, quando acordodinheiro afirma "a partir dessa altura, pode fixar a taxa, garantindo assim uma prestação baixa por mais tempo", de que valores aproximados estamos a falar? ou seja, qual o diferencial de uma variável fixa a 3 meses a 1% para uma taxa fixa? Vale a pena o mudança?
Muito obrigado pela atenção
João Barata


De Anónimo a 18 de Março de 2009 às 16:28
Posso usar o que poupo com a descida das taxas de juro para amortizar a dívida ao banco? Ou devo investir esse dinheiro noutras aplicações financeiras?


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:13
Pode canalizar as poupanças do crédito à habitação para amortizar a dívida ao banco. Dada a conjuntura actual, essa é a solução mais acertada, uma vez que assim não só liquida parte da dívida, mas também dos juros associados. Se, entretanto, tiver oportunidade de investir em algumas aplicações financeiras, pode também fazê-lo, escolhendo os produtos que melhor se adequarem ao seu perfil de risco.


De Alexandra Lopes a 14 de Fevereiro de 2010 às 21:41
Coloquei a pergunta e estou á espera de respostas


De acordodinheiro a 18 de Março de 2009 às 17:45
Pensei em fazer um PPR com o que tenho poupado nas prestações da casa. É uma boa opção?


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:14
Sim. Um plano poupança-reforma é uma boa forma de garantir o seu futuro e de rentabilizar as suas poupanças. Além do rendimento associado, conta também com os benefícios fiscais em sede de IRS, concedidos aos subscritores deste produto.


De Anónimo a 18 de Março de 2009 às 17:46
Agora que as taxas de juro estão a descer, é boa altura para renegociar o contrato do crédito à habitação?


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:14
Sim. Pode pedir a renegociação do seu crédito, na tentativa de o ajustar àquilo que lhe é mais praticável. Se preferir continuar a mesma prestação, reduzindo, por isso, o prazo da amortização, pode colocar essa hipotese ao seu banco. Seja prudente e leia todos os termos dos contratos antes de os subscrever.


De Viktor a 19 de Março de 2009 às 11:43
Parabéns pelo destaque.
Tem um blog interessante e desejo-lhe a maior sorte do mundo.
Saudações Reikianas
NAMASTÊ


De Carlos Santos a 20 de Março de 2009 às 02:18
As taxas de juro baixaram mas para aumentar a confinaça importa avançar em vez de retroceder na regulação financeira (http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/03/regulacao-financeira-agora-o-argumento.html). As regras mark-to-market devem ser mantidas.


De Diogo Ferreira a 23 de Março de 2009 às 23:25
Para quem tenha cerca de 10% da divida de empréstimo habitação em capital, compensa utilizá-lo a amortizar o empréstimo ou é melhor aplicá-lo?


De Nuno Pereira a 2 de Abril de 2009 às 19:54
Quando fiz o meu contracto a Habitação em 2006 aconselharam-me a taxa fixa mas neste momento estou com uma TAE de 5.12%.
Pedi para que me alterassem o contracto em Dezembro onde me foi dito que iriam proceder a alteração do mesmo.
Sempre que me desloco lá recebo sempre uma desculpa e nunca mais me fazem a alteração tendo dito que até 15 de Abril a situação estaria resolvida e que ficaria com a taxa de Dezembro.
O que poderei fazer para valer os meus direitos e quais são os mesmos?

Cumprimentos


De Paulo Sérgio Gravato a 3 de Abril de 2009 às 10:31
Relativamente ao crédito à habitação, com o acentuar das descidas das Taxas de Juro, seria boa altura/opção para negociar com os bancos a contratação de Taxa fixa em vez de taxa variável?


Comentar post

.A Cor do Dinheiro

.Patrocinadores

 

PT negocios

Coloque as suas dúvidas sobre os Temas da Semana através de:

E-mail: cordodinheiro@sapo.pt

 

.Produzido por

Photobucket

.Programa

 

A Cor do Dinheiro é um magazine semanal sobre Economia, que aborda assuntos sobre poupança e investimento. É transmitido todos os Domingos, às 23h na RTPN.

.Apresentador

 

Camilo Lourenço é o apresentador do programa A Cor do Dinheiro e tem já uma larga experiência na área da economia. Foi fundador do Diário Económico e director editorial da revista Exame. Desempenhou, também, funções como editor de economia na Rádio CMR e na Rádio Comercial, e foi comentador da SIC Noticias.
Actualmente, é colunista no Jornal de Negócios e no Record e comentador da RTP e da M80.


 

 

.Votação Semanal

.Facebook

.Arquivo Audiovisual do Programa

RTP Multimédia

.Arquivo do Blog

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.Links Úteis

DECO

 

Ministério da Economia

 

Ministério das Finanças

 

Banco de Portugal

 

Agência Financeira

 

Revista Exame

 

Jornal de Negócios

 

Diário Económico

 

Público

 

Bloomberg

 

Dossier Especial Financial Times

.Sugestão de Livro


 

 

 

Num momento em que valores como a Verdade, Humildade e Solidariedade se
encontram completamente arredados do modo como são, actualmente, governadas
as grandes empresas globais, é necessário lançar um alerta sobre a forma
pouco clara como muitos dos máximos responsáveis das grandes corporações as
têm dirigido. Este livro pretende dar a conhecer aos actuais e futuros gestores as
ferramentas para lidar com a actual crise de valores que prolifera nas
empresas globais. É preciso «humanizar» as empresas para que estas deixem de
procurar o êxito rápido a qualquer preço! Criar uma cultura de negócios mais
verdadeira, será o grande desafio para todos os futuros gestores deste
século.

De João Ermida, O Método dos Executivos do Futuro, Dom Quixote

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31