Terça-feira, 24 de Março de 2009

Em que acções investir?

Os investidores enfrentam um estranho dilema: reconhecem valor ao mercado accionista, mas preferem não actuar até que se clarifiquem os vários factores de risco dos mercados financeiros.

Vivem-se, por isso, períodos conturbados nos mercados financeiros mundiais. Com a vitória de Barack Obama e a sucessiva criação de planos anti-crise, era esperada maior calma nos mercados para o início de um novo mas pouco auspicioso ano.
Em Portugal, o PSI 20 já perdeu cerca de 45% desde o valor mais alto atingido este ano.
A Bolsa Portuguesa, desde o seu último máximo, atingido a 7 de Maio de 2008, já caiu 42%.
Com tudo isto, como saber em que acções investir? Como avaliar a rentabilidade de uma empresa? Que indicadores deve seguir para saber se é um bom ou mau investimento? Que empresas e sectores recuperam melhor?
As respostas a estas e outras perguntas, na próxima edição d’A Cor do Dinheiro.
Em estúdio, Tiago Ribeiro Pereira, do Banco Carregosa, o mais recente banco português, e Carla Rebelo, do Banif.
João Ermida analisa a Empresa da Semana, Millennium BCP.
O Investidor Privado em destaque é João Salgueiro, Presidente da Associação Portuguesa de Bancos.

 

Esclareça mais informações sobre o tema desta semana em:

publicado por acordodinheiro às 11:53
link do post | comentar | favorito
|
14 comentários:
De Ana Maria a 25 de Março de 2009 às 16:21
Qual é o principal indicador a que devo estar atento para saber se as minhas acções são um bom investimento?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:05
O PER é um indicador a que deve prestar especial atenção, uma vez que é indica qual o tempo médio estimado de retorno das acções.


De José Carlos Silva a 25 de Março de 2009 às 16:36
Quero começar a investir em acções mas não sei se é seguro fazê-lo agora? É uma boa altura?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:06
Dizem os especialistas que esta é a melhor altura para investir em bolsa. As acções que comprar agora vão ter um custo muito reduzido e espera-se que a médio prazo, elas valorizem. Ou seja, vai poder vende-las a um preço muito superior ao de compra, o que vai gerar lucros.


De António Pereira a 25 de Março de 2009 às 17:48
Sou um investidor e não gosto de correr risco. Mas gostava de aplicar algum dinheiro em acções. Como posso fazê-lo sem arriscar demasiado?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:06
Diversifique a sua carteira de investimento, de modo a equilibrar os ganhos e perdas, correndo assim menos riscos. Esteja atento aos mercados e a tudo o que pode influenciar o desempenho bolsistas das empresas em que detém acções, bem como das suas concorrentes.


De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:07
Use apenas dinheiro de que não precisa para contas correntes ou para despesas de curto/médio prazo que consiga prever e não peça dinheiro emprestado para investir em bolsa. Invista apenas o dinheiro de que não precisa para não comprometer o seu futuro nem o da sua família. Não pense no dinheiro aplicado nos próximos anos. As cotações vão subir e descer, mas se tirar o dinheiro em pouco tempo, os lucros vão ser menores.


De André Santos Costa a 25 de Março de 2009 às 18:01
Ouvi dizer que um investimento em bolsa é sempre de longo prazo? É verdade? De quanto tempo se trata?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:07
Para ter retornos com o seu investimento em bolsa, esteja preparado para ter o seu capital imobilizado pelo menos durante 3 anos ou idealmente 5 anos. Mesmo assim, isto não garante que tenha lucros, apenas aumenta essa possibilidade, sendo que, em princípio, os lucros que daí advieram serão maiores a 3 ou 5 anos do que a 1 ano, por exemplo.


De acordodinheiro a 25 de Março de 2009 às 18:20
Qual é a importância das cotações? Devo estar atenta a elas?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:07
A cotação é o preço corrente dos títulos de acção em Bolsa, ou seja, indica o preço de uma determinada acção. É através desse valor que o investidor tem a noção real do valor em número das suas acções. Analisando também as variações das cotações, o investidor consegue saber também se a acção está a valorizar ou a desvalorizar.


De Carla Teixeira a 26 de Março de 2009 às 11:40
Tenho alguns investimentos em acções. Como é que isso é tributado pelo IRS?



De acordodinheiro a 30 de Março de 2009 às 15:08
As mais-valias dos fundos estrangeiros são tributadas a 20%, uma cobrança sob a forma de retenção na fonte, ou seja, se resgatar um fundo de investimento estrangeiro que valorizou 20 por cento deste a data de aquisição, a mais-valia líquida de impostos é 16 por cento (20% x 0,8).
Nos fundos nacionais, como a tributação sobre as mais-valias é feita dentro do fundo (o investidor não tem de fazer o que quer que seja), as cotações e as rendibilidades apuradas entre o preço de compra e o preço de venda já são líquidas de impostos.


De Feliciano a 6 de Abril de 2009 às 11:31
Vi o vídeo publicado no site do Jornal de Negócios com o dr. Tiago Pereira e a Dra. Carla Rebelo.

Um dos conselhos dado pela dra foi a aposta na ZON e Jerónimo Martins por estas estarem muito decontadas.

No entanto o PER destas empresas, pelo que vi no forum clubinvest está nos 18 e 20 respectivamente.

Como é que se pode sustentar essa opinião, quando existem outros títulos com PER muito mais reduzidos?


Comentar post

.A Cor do Dinheiro

.Patrocinadores

 

PT negocios

Coloque as suas dúvidas sobre os Temas da Semana através de:

E-mail: cordodinheiro@sapo.pt

 

.Produzido por

Photobucket

.Programa

 

A Cor do Dinheiro é um magazine semanal sobre Economia, que aborda assuntos sobre poupança e investimento. É transmitido todos os Domingos, às 23h na RTPN.

.Apresentador

 

Camilo Lourenço é o apresentador do programa A Cor do Dinheiro e tem já uma larga experiência na área da economia. Foi fundador do Diário Económico e director editorial da revista Exame. Desempenhou, também, funções como editor de economia na Rádio CMR e na Rádio Comercial, e foi comentador da SIC Noticias.
Actualmente, é colunista no Jornal de Negócios e no Record e comentador da RTP e da M80.


 

 

.Votação Semanal

.Facebook

.Arquivo Audiovisual do Programa

RTP Multimédia

.Arquivo do Blog

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.Links Úteis

DECO

 

Ministério da Economia

 

Ministério das Finanças

 

Banco de Portugal

 

Agência Financeira

 

Revista Exame

 

Jornal de Negócios

 

Diário Económico

 

Público

 

Bloomberg

 

Dossier Especial Financial Times

.Sugestão de Livro


 

 

 

Num momento em que valores como a Verdade, Humildade e Solidariedade se
encontram completamente arredados do modo como são, actualmente, governadas
as grandes empresas globais, é necessário lançar um alerta sobre a forma
pouco clara como muitos dos máximos responsáveis das grandes corporações as
têm dirigido. Este livro pretende dar a conhecer aos actuais e futuros gestores as
ferramentas para lidar com a actual crise de valores que prolifera nas
empresas globais. É preciso «humanizar» as empresas para que estas deixem de
procurar o êxito rápido a qualquer preço! Criar uma cultura de negócios mais
verdadeira, será o grande desafio para todos os futuros gestores deste
século.

De João Ermida, O Método dos Executivos do Futuro, Dom Quixote

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31