Quinta-feira, 2 de Outubro de 2008

Como Poupar no Orçamento Familiar

 

O aumento do custo dos combustíveis e dos alimentos, bem como das taxas de juro tem feito mossa no bolso das famílias portuguesas. Para combater a crise, uma das soluções passa não só por economizar na hora das compras, mas também por repensar todas as suas despesas.
 
Os custos com a habitação, alimentos e transportes representam 55% da despesa média de um agregado familiar. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, cada família gasta em média ao ano 4691€ com habitação, 2736€ com produtos alimentares e bebidas não alcoólicas e 2272€ em transportes. É também na região de Lisboa e Vale do Tejo que a despesa média é claramente superior quando comparada com outros valores nacionais.
 
No programa desta semana vamos mostrar-lhe uma família que encarna o espírito de poupança e perceber como gerem as suas finanças. Vamos, ainda, dar-lhe dicas de poupança e de gestão do orçamento familiar e falar com especialistas na área para mostrar-lhe como pode lidar melhor com a crise com que nos deparamos e que nos faz cada vez mais apertar o cinto.

 

 

Mais questões sobre orçamento familiar e poupança nos seguintes sites:

 

- Site com dicas de poupanças

- Site com informação sobre finanças e dicas de poupança da Caixa Geral de Depósitos

 

publicado por acordodinheiro às 11:11
link do post | comentar | favorito
|
34 comentários:
De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:53
De facto uma grande parcela do meu orçamento mensal vai para o supermercado. Gostava de saber algumas formas de poder reduzir estes custos.


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 19:06
Não pode evitar ir ao supermercado (nem é isso que se pretende), mas pode reduzir essa despesa. É tudo uma questão de método. Habitue-se a fazer compras no início da semana, de quinze em quinze dias ou apenas mensalmente. Compre nessa altura tudo aquilo de que precisa, evitando todos os outros produtos. E leve uma lista. Antes de sair de casa, veja nos armários o que está em falta e anote tudo numa lista de compras. Depois, respeite a lista e não compre nada que não estivesse previsto. Pense também nas quantidades. Leve o suficiente até à próxima vez que for ao supermercado. A DECO PROTESTE foi às compras e comparou três cabazes de produtos diferentes, tendo em conta vários hábitos de consumo. Se prefere comprar produtos de marcas específicas, os supermercados mais baratos são os Intermarchés das Caldas das Taipas, de Guimarães, e da Covilhã, seguidos pelos de Mafra e de Portalegre. Se não está preocupado com as marcas e não se importa de comprar produtos de marca branca, a Aldi e a Plus estão em primeiro lugar, seguidas do Minipreço e finalmente do Lidl.

Se falarmos em termos absolutos, o supermercado mais barato é o Feira Nova, seguido pelo Continente. Em terceiro lugar estão os E. Leclerc, Ecomarché, Jumbo, Minipreço e Pão de Açúcar.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:54
Com o constante aumento dos preços dos combustíveis como é possível poupar na parcela dos transportes?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 10:45
Se tem possibilidade de se deslocar diariamente de transportes públicos, essa é uma opção económica. Mas, se tem de se deslocar de carro todos os dias, opte por uma condução ecológica. Conduza a uma velocidade constante sem ultrapassar as 3000 rotações nos carros a gasolina e as 2500 nos motores a gasóleo; não acelere ou trave de forma repentina e faça uma utilização adequada da caixa de velocidades. As janelas abertas e os acessórios no tejadilho diminuem a aerodinâmica do carro e aumentam o consumo de combustível, pelo que sempre que puder, deve evitar estas práticas. Por outro lado, o ar condicionado não se apresenta como uma solução viável, uma vez que pode aumentar em 20% o consumo de combustível. Finalmente, não mantenha o carro ligado em paragens prolongadas.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:54
Muitas vezes já reparei que alguns electrodomésticos têm classificações mas não percebo bem o que querem dizer? Será que me podiam elucidar sobre este assunto?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 10:35
Há uma escala de sete letras (A a G) que indica a eficiência energética dos electrodomésticos, sendo que a letra A representa uma eficiência energética máxima (ou seja, um consumo mínimo) e a G corresponde a um consumo elevado de energia. Esta classificação vai permitir avaliar as diferenças de consumo entre aparelhos do mesmo tipo. Por exemplo, se está a pensar comprar uma máquina de lavar louça, olhe para a escala e vai saber qual a maquina que consome mais e qual consome menos. Mesmo que a máquina mais eficiente seja mais cara, vai poupar-lhe muito dinheiro no futuro


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:55
Podem esclarecer-me quais as tarifas possíveis de electricidade? Tenho uma família relativamente numerosa, somos 6 pessoas, e esta era uma despesa que gostava mesmo de reduzir.


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 19:10
Nos últimos seis anos, registou-se um aumento superior a 3% nos preços médios anuais da electricidade. A factura da electricidade pode ter várias tarifas que são o valor que paga não só pelo consumo efectivo de electricidade, mas também pelo seu transporte e distribuição, por exemplo.

Para informações mais detalhadas, consulte o site da EDP abaixo indicado.

http://www.edp.pt/EDPI/Internet/PT/Group/AboutEDP/BusinessEnvironment/RegulationandTariffs/TarifasElectPT.htm

Desligar os aparelhos electricos na ficha quando não está a usá-los e recorrer às energias renováveis são boas opções de poupança.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:56
Que hipóteses tenho ao meu dispor para poupar dinheiro ao fim do mês? Oiço falar de fundos e certificados de aforro, mas não sei bem o que são!


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 10:35
Os depósitos a prazo e os certificados de aforro são aplicações bancárias com um risco mínimo ou mesmo nulo. Se tem algum dinheiro para investir e não quer correr riscos, estas opções são as certas para si. Lembre-se também que as transações online oferecem taxas de juro mais vantajosas do que as feitas ao balcão


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 16:56
Oiço imensos conselhos relacionados com não deixar os electrodomésticos em standby porque gastasse mais energia. A diferença é assim tão significativa?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 10:34
Na função de stand-by ou de repouso, os electrodomésticos estão também a consumir energia, ainda que em menor quantidade do que quando estão ligados. Basta que os aparelhos estejam ligados à electricidade para estarem a consumir energia. Este consumo "fantasma", ainda que reduzido, pode ser evitado, o que ao longo do tempo terá impactos visíveis.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 19:49
A factura do meu telemóvel é muito elevada. Aconselham-me algum tarifário em especial. Costumo fazer apenas chamadas para telemóveis (porque para números fixos uso o telefone que tenho em casa) e mensagens.


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 19:08
Se não está satisfeito com os encargos mensais com telefone e telemóvel, pode optar por um pacote de telecomunicações que inclui não só telefone fixo e móvel como também pode incluir internet e tv por cabo. Desta forma, junta todas as facturas numa que, regra geral, é menor do que todas as outras em separado.
Se paga o seu telemóvel por assinatura mensal, o preço por minuto dentro da mesma rede é mais barato. Mas o custo da assinatura pode ir até aos 50 euros. Se optar por uma "marca branca" (Rede4, Vodafone Directo ou Uzo), o preço das chamadas e das mensagens escritas não varia consoante a rede de destino. No entanto,paga um pouco mais por cada minuto (cerca de 12 cêntimos, em média, face aos 10 cêntimos nos planos pós-pagos) Ainda assim, este aumento ão é significativo e compensa optar por estas redes. Nestes operadores é obrigatório fazer carregamentos mensais, no valor de 15 euros.


Hoje em dia, os telemóveis incluem várias funcionalidades, muitas das quais não precisa. Antes de comprar um novo aparelho, veja bem aquilo de que precisa. Se usa o telemóvel apenas para fazer chamadas e mandar sms não precisa de comprar um telemóvel 3G, com bluetooth, Wi-fi, GPRS. Só nesta escola, pode poupar até 750€.

Pode também fazer chamadas via internet, a um preço muito reduzido. Experimente o skype.com <http://www.skype.com/> (chamadas a dois cêntimos por minuto para a rede fixa e 26 cêntimos para a rede móvel), o voipbuster.com <http://www.voipbuster.com/> (assim que se regista, recebe 300 minutos por semana grátis para a rede fixa) ou o www.jajah.com (3,5 cêntimos por minuto para a rede fixa ou telemóveis). Estes sites com chamadas a preço de saldo só não permitem fazer chamadas de emergência para o 112.

Feitas as contas, pode poupar mais de 1300 euros, por ano, se fizer uma boa geastão dos custos com telecomunicações.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 19:50
Estou neste momento a pensar trocar de carro e pondero a hipótese de comprar um a gasóleo, mas não sei se o que vou pagar a mais pelo carro compensa o que depois vou poupar em combustível. Qual é a vossa sugestão?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 19:11
A venda de automóveis diesel aumentou muito nos últimos anos, sobretudo nos segmentos médios. No entanto, se anteriormente era clara a diferença de preços entre a gasolina e o gasóleo, agora com a aproximação dos preços é díficil dizer sem erro que compensa comprar um carro a gasóleo em vez de um a gasolina. O site do Automóvel Clube de Portugal aconselha a fazer alguns calculos antes de tomar essa decisão. O consumo médio do automóvel e o tempo que estima ter esse carro são variáveis a ter em conta. No link abaixo tem uma simulação que vai ajudá-lo a tomar a decisão mais económica.

http://autos.acp.pt/combustivel.php?activo=combustivel


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 19:50
Gostava de obter mais informações sobre painéis solares, ouvi dizer que ajudam o meio ambiente e, ao mesmo tempo, ajudam a poupar dinheiro em energia. Como posso adquiri-los? Quanto custam? Que benefícios me trazem?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 19:11
Numa altura, em que o planeta está em risco por causa do aquecimento global e da desresponsabilização do homem, é preciso apostar nas energias renováveis que não se esgotam enm prejudicam o ambiente. É o caso da energia solar. Ao instalar painéis solares está a suavizar a factura da electricidade ao mesmo tempo que está a proteger o ambente.

Uma dúvida muito comum é saber se para se fazer um painel solar eléctrico se gasta mais energia do que aquela que o painel vai produzir em toda a sua vida. Isto não é verdade. É claro que tudo depende da marca do painel e não podemos fazer considerações absolutas. Mas, a título de exemplo, Erik Alsema fez os cálculos para células solares de silício e concluiu que o tempo de retorno energético é de cerca de 2 anos. Ou seja, sendo o tempo de vida de um painel de pelo menos 25 anos, um painel solar produzirá ao longo da sua vida dez vezes mais energia do que aquela que foi necessária para o fazer.

Mais uma vez, não é possível determinar um preço fixo para um painel solar: os preços dependem dos fornecedores. De qualquer forma, o preço de referência para uma instalação completa é de cerca de 25 mil euros para produzir energia para uma família de 4 pessoas - um valor que, como vimos, pode ter retorno em dois anos.

Está prevista a dedução à colecta do IRS em 30% até um máximo de 700 euros. Mas, é preciso considerar que esta dedução é avaliada em conjunto com as deduções no âmbito do crédito à habitação. Isto faz com que uma pessoa que tenha um empréstimo à habitação (situação comum na maioria das famílias portuguesas), não consiga ter benefício no IRS pela a aquisição do equipamento de energias renováveis. A taxa do IVA aplicada à energia solar é de 12%.


De acordodinheiro a 2 de Outubro de 2008 às 19:51
Muitas vezes a diferença de preço entre marca branca e marca normal é enorme e receio que isto se deva a um factor de menor qualidade. Podem ajudar-me a esclarecer esta minha dúvida?


De acordodinheiro a 13 de Outubro de 2008 às 10:33
Não há qualquer razão para desconfiar da qualidade dos produtos de marca branca. Se comparar a composição de dois produtos semelhantes - um de marca e outro de marca branca - vai ver que as diferenças, quando existem, são mínimas. Estes produtos podem ser uma boa opção para emagrecer as despesas mensais no supermercado.


Comentar post

.A Cor do Dinheiro

.Patrocinadores

 

PT negocios

Coloque as suas dúvidas sobre os Temas da Semana através de:

E-mail: cordodinheiro@sapo.pt

 

.Produzido por

Photobucket

.Programa

 

A Cor do Dinheiro é um magazine semanal sobre Economia, que aborda assuntos sobre poupança e investimento. É transmitido todos os Domingos, às 23h na RTPN.

.Apresentador

 

Camilo Lourenço é o apresentador do programa A Cor do Dinheiro e tem já uma larga experiência na área da economia. Foi fundador do Diário Económico e director editorial da revista Exame. Desempenhou, também, funções como editor de economia na Rádio CMR e na Rádio Comercial, e foi comentador da SIC Noticias.
Actualmente, é colunista no Jornal de Negócios e no Record e comentador da RTP e da M80.


 

 

.Votação Semanal

.Facebook

.Arquivo Audiovisual do Programa

RTP Multimédia

.Arquivo do Blog

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.Links Úteis

DECO

 

Ministério da Economia

 

Ministério das Finanças

 

Banco de Portugal

 

Agência Financeira

 

Revista Exame

 

Jornal de Negócios

 

Diário Económico

 

Público

 

Bloomberg

 

Dossier Especial Financial Times

.Sugestão de Livro


 

 

 

Num momento em que valores como a Verdade, Humildade e Solidariedade se
encontram completamente arredados do modo como são, actualmente, governadas
as grandes empresas globais, é necessário lançar um alerta sobre a forma
pouco clara como muitos dos máximos responsáveis das grandes corporações as
têm dirigido. Este livro pretende dar a conhecer aos actuais e futuros gestores as
ferramentas para lidar com a actual crise de valores que prolifera nas
empresas globais. É preciso «humanizar» as empresas para que estas deixem de
procurar o êxito rápido a qualquer preço! Criar uma cultura de negócios mais
verdadeira, será o grande desafio para todos os futuros gestores deste
século.

De João Ermida, O Método dos Executivos do Futuro, Dom Quixote

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31